CrisDias vende o Vilago e torna-se o primeiro milionário da blogosfera brasileira… NOT !!!

gator+crisdiasDepois de semanas de negociações, preparativos, burocracias e noites mal dormidas vira realidade hoje a mais recente mega-mudança profissional da minha vida. O Vilago, meu empreedimento-de-um-cara-só desde 2003 está unindo-se à Host Gator, um grande player do mercado americano que chega ao Brasil com o pé na porta e sangue nos zóio.

Sempre que eu conversava com alguém sobre o Vilago a pergunta aparecia: “O Vilago consegue existir sem o crisdias?” Sempre achei que não, que minha imagem estava intimamente ligada ao serviço, sempre com essa história de que no Vilago você não é atendido por um robô-falante-de-gerundês mas sim por um maluco que nunca diz “isso não é problema meu”.

É por isso que essa fusão com a Host Gator demorou tanto para ser parida, porque fora a óbvia garantia de qualidade desenhamos juntos uma forma de trabalho onde eu vou continuar envolvido no relacionamento com antigos e novos clientes.

Não, eu não fiquei rico como o título do texto brinca. O Vilago sempre foi qualidade e não quantidade e nesse tipo de mercado, por mais que a gente consiga jogar os valores pra cima, o pagamento é feito em cima do número de clientes. Não foi dessa fez que coloquei meu proverbial boi na proverbial sombra. Mas estou, obviamente, muito feliz com toda a história e com o futuro.

A migração “física” (física?) dos clientes para a Host Gator vai acontecer em breve, ainda está sendo desenhada para não causar nenhum impacto nos sites hospedados.

Espero que os leitores, amigos e clientes fiquem tão felizes com a novidade quanto eu. Aliás a melhor coisa nesses 6 anos e meio de Vilago é que muita gente que começou lendo do blog virou cliente e hoje em dia é amigo. Tenho muito orgulho do trabalho que fiz e animado com o futuro.

Abaixo o e-mail que acabou de ser enviado para todos os clientes. Se você está no Vilago e não recebeu seus dados por aqui estão provavelmente desatualizados. Entre em contato por favor.


Prezado Cliente,
Tenho o prazer de comunicar que o Vilago entra em uma nova etapa, que trará grandes benefícios a todos.

O Vilago, que desde 2003 oferece para o seu site um bom lugar para morar, acaba de se fundir com a Host Gator Brasil, uma das maiores empresas de hosting dos EUA que chega ao país unindo-se a empresas com reputação de bons serviços com a comunidade local. Esta união não trará nenhuma mudança na qualidade dos serviços prestados, pelo contrário, vai permitir uma melhoria constante em todos os aspectos de estrutura e suporte. O Vilago deixa de ser uma empresa-de-um-homem-só para ter toda uma infra-estrutura operacional por trás.

Como garantia do serviço e para tranquilizar todos os clientes do Vilago atuarei diretamente nos projetos da Host Gator Brasil, desde a migração técnica dos sites hospedados no Vilago até o acompanhamento dos clientes após a migração.

Tenho a certeza de que esta mudança será extremamente positiva para todos os clientes que passarão a usufruir os mesmos benefícios já oferecidos pelo Vilago, além de novas condições como:

- Plano com espaço em disco e transferência de dados ilimitados!
- SSL privado
- Ip dedicado
- Suporte 24/7 em Português e Inglês
- Infra estrutura e serviços em expansão constante
- CrisDias como seu fiel escudeiro em qualquer problema que você encontrar :)

Para este momento é importante explicar que o processo de migração será muito tranquilo. Os passos serão:

Migração Técnica
Em breve divulgaremos a data para a migração, operação esta que será realizada visando eliminar qualquer risco de indisponibilidade dos sites do Vilago.

Atendimento
Durante todo o período de migração, tanto o Vilago como a Host Gator Brasil estarão disponíveis para resolver qualquer dúvida. Após a migração, a Host Gator Brasil passará a atendê-lo plenamente.

Cobrança
As cobranças dos serviços a partir da mudança já serão realizadas pela Host Gator Brasil. Enviaremos comunicados mais detalhados a respeito a fim de evitar dúvidas ou problemas. Mantenha seus dados atualizados para que esta comunicação não tenha nenhum ruído e seu serviço não corra o risco de ser interrompido.

Logo enviarei mais informações a respeito, detalhando cada passo. Aproveito para deixar expresso que o empenho da Host Gator Brasil é total e qualquer problema encontrado será tratado com prioridade máxima. Estarei pessoalmente envolvido no processo de migração, portanto não se acanhe em me contatar diretamente, como sempre foi feito, para resolver quaisquer dúvidas.

Por fim, agradeço pela confiança em todos estes anos. Fico extremamente feliz de acompanhar o crescimento da nossa relação de compromisso neste próximo passo.

Atenciosamente,

Cristiano Dias, o Síndico
Vilago

17 Sep 2009, 20 comentários.
:: crisdias.com

Quem é você?

Meu nome é Cristiano Dias, nasci em 1973 (faça as contas), sou casado e tenho duas filhas muito mais bonitas e fofinhas do que qualquer outra criança no mundo. Pelo menos para mim.

Você não é a Cris Dias? Eu sempre achei que fosse a Cris Dias

Não, e pela foto no topo do site eu tinha esperança de que você já tivesse se tocado disso. Mas não se sinta mal por isso. Quase toda semana eu encontro alguém que diz "poxa, mas eu achava que era menina". Afinal de contas quem seria louco o suficiente de adotar um apelido tão feminino? Pois é... eu. É que quando eu comecei a usar a Internet ela ainda era a vapor e nossos e-mails só podiam ter 8 letras. Cristiano tem 9, então fui de crisdias mesmo. Eu adoro este meu apelido e me divirto com as histórias da Cris Dias, como a da garota que deu bronca no namorado porque ele linkava "o blog de uma mina". Mas a Cris Dias existe, ela é hoje a apresentadora do Esporte Espetacular e é muito mais gatinha do que eu, pode acreditar.

Qual sua formação? Em que você trabalha?

Em 2008 eu li um livro muito legal chamado O Ócio Criativo, do italiano Domenico De Masi. Já ouvi que ele pratica o "faça o que eu digo, não faça o que eu faço", mas o fato é que entre várias coisas ele defende que na sociedade da informação a gente é definido pelo que sabe e não pelo que estudou. Veja o meu caso... Eu comecei a programar computadores lá pelos 9 anos de idade, em um CP-500 e um TK-85. Depois entrei para o curso técnico de mecânica do Cefet-RJ, pulei para uma escola técnica de publicidade e, no último semestre, mudei a especialização para radialismo (que, muita gente não sabe, também inclui TV). Na hora de entrar para a faculdade pensei em fazer desenho industrial mas acabei indo para a boa e velha informática. Mas a essa altura eu já era o que iriam chamar alguns anos depois de "profissional multimídia". Ou, se você gosta de Kid Abelha, "eu sei de quase tudo um pouco e quase tudo mal". Veio a Internet, chegaram os blogs e eu comecei a usar esse emaranhado de conhecimentos para saber o que eu sei hoje. No formulário de entrada dos hotéis eu sempre me enrolo no que colocar na caixinha "profissão". No meu diploma está escrito "analista de sistemas", mas eu não "analiso sistemas" já tem uns bons anos.

Em 2003, o que já era meu terceiro ano no exterior trabalhando em produtora web, abri sem grandes pretensões o Vilago, uma empresa de hospedagem de sites. Por conta das minhas andanças no mundo blogueiro boa parte dos clientes eram blogs e afins, mas obviamente eu não nego cliente (fora um certo candidato político, mas isso é outra história) e hospedava todo tipo de site. A partir de 2005 passei a trabalhar exclusivamente para o Vilago, quando já estava morando de novo no Brasil.

Mais ou menos nessa época, 2005, comecei a brincar de fazer podcasts, ou como muita gente gosta de simplificar "rádio na internet". Lembra que eu, teoricamente, sou radialista, né? Daí nasceu o RadarPOP, em parceria com o Alexandre Maron e vários convidados legais. Uma coisa levou a outra e comecei a participar do podcast Braincast, do site brainstorm9.com.br, capitaneado pelo Carlos Merigo. Passou mais um tempo e gravamos uma versão em vídeo, com o pessoal do enxame.tv, iniciativa de produção de vídeo online que estava nascendo na época. Avance mais um pouquinho para agosto de 2008 e, por causa dessa maluquice toda da minha formação e experiência eu fui convidado a ajudar a comandar o enxame.tv. Adianta mais um ano, o enxame não conseguiu lá muitos anunciantes e chegou para a colmeia — produtora responsável por tocar o enxame — o projeto de rodar a campanha de lançamento do novo orkut. Ao mesmo tempo a Hostgator, empresa de hospedagem que estava chegando no Brasil, ofereceu de comprar a carteira de clientes do Vilago. Aproveitei a confluência dos astros, aceitei a oferta e passei a me dedicar a produzir conteúdo na colmeia, com projetos bem legais.

Pronto para adiantar o relógio de novo? Meio do ano de 2010 recebo um e-mail da JWT, segunda maior agência do país em faturamento, perguntando "você trabalharia numa agência"? O cargo era de creative technologist, uma novidade por aqui. Lembra do tal "profissional multimídia" dos anos 90? Agora chama creative technologist e foi meu cargo por dois anos. Ou "o nerd que se comunica". No espaço de um ano passei de 100% empreendedor a funcionário de firma, com carteira assinada, gaveteiro e crachá. Nunca diga nunca, já dizia alguém por aí. Em 2012 a colmeia se desfez e ao saber disso o grupo JWT chamou o Dudu e o Passa para juntos abrirem a Mutato, uma nova agência no grupo que tem a Casa, a iCherry e, claro, a JWT. Eles me chamaram para ser um dos conceptors da nova empresa e eu topei antes de terminarem a frase.

Como entrar em contato com você?

Sempre por e-mail. Nunca me peça uma coisa por telefone ou instant-messenger. Cinco minutos depois a informação já foi devidamente apagada do meu cérebro. E olha que eu nem sou personagem de filme do Christopher Nolan não. Eu sei que eu deveria ter um sistema melhor para controlar as pendências, seguir do Getting Things Done, essas coisas todas. Enquanto eu não faço isso você já sabe: mande um e-mail.

Podemos qualquer dia bater um papo, pessoalmente ou por chat?

Claro, eu adoro conhecer pessoas, trocar idéias e encher o saco delas com as minhas idéias. Mas lembre-se que eu também sou gente, tenho família, compromissos e, principalmente, muitos e-mails para responder. Nem sempre dá para para dar atenção, mas normalmente eu sou gente boa. Normalmente.

Eu te mandei um e-mail e você não respondeu, seu mané!

É triste mas é verdade, eu recebo mais e-mails do que consigo ler, quanto mais responder. Eu tenho um critério louco e nem sempre coerente do que ler e responder e, em várias ocasiões, eu simplesmente não respondo algo que deveria responder. Não leve para o lado pessoal e, se for algo realmente importante, mande de novo.


«


© 2000-2014 Cristiano Dias. Alguns direitos reservados. Só alguns, não se preocupe.
Based on a tbeseda & 5ThirtyOne design. doismidela primeraza
RSS