YouTube cada vez mais bloqueado

Grandes provedores nacionais continuam bloqueando o YouTube por conta do vídeo proibido da Cicarelli. O desembargador Ênio Santarelli Zuliani baixou ordem judicial semana passada para que somente o vídeo seja bloqueado. Pois justamente o YouTube alega que não tem como bloquear com eficácia um vídeo específico. O exercício é simples: pense em uma maneira de bloquear especificamente o vídeo e depois uma maneira de burlar esse bloqueio. Até quem não entende nada de informática vai encontrar respostas bem simples para o caso. O YouTube gostaria muito de ter como bloquear vídeos específicos por outros motivos, já que várias empresas estão processando o site por violação de direitos autorais. Mas um vídeo é uma informação visual e subjetiva, que até o momento só nossos cérebros conseguem entender ou distinguir. Qualquer vídeo denunciado ao administradores é retirado do ar rapidamente, mas nossa querida popstar não quer ter o trabalho de ficar policiando o site. Ela quer todos os vídeos fora e pronto.

Então se nem o YouTube consegue filtrar só um vídeo os provedores de acesso nacionais não têm lá muita opção senão bloquear o site todo. O desembargador, que obviamente não entende absolutamente nada de tecnologia, tira o seu da reta dizendo que a ordem é de bloqueio de um vídeo só, em todas as suas encarnações. Mas a ordem judicial é literal “objetivando o bloqueio do site www.youtube.com, da cor-ré YouTube Inc, aos Internautas brasileiros, informando, após, o Juízo, da providência tomada”. Nada é dito sobre algum vídeo específico.

É como mandar todas as bancas de jornais fechar porque a Caras publicou fotos da Cica pelada. É como mandar fechar todas as ruas porque alguém pode estar dirigindo bêbado.

Mas uma discussão maior começa a aparecer. Eu e você podemos achar que o vídeo não tem nada demais e ainda dá publicidade grátis para a menina. Afinal de contas ela foi filmada fazendo coisinha em lugar público, uma praia. Bloquear o site todo é burrice e ponto. Mas vai aparecer o dia em que um vídeo do YouTube, uma foto de um site, o texto de um blog… seja realmente ilegal. E mais: alguma coisa ilegal no Brasil porém legal nos EUA e o YouTube, por exemplo, decida que não vai tirar o vídeo.

A maior “quebra cultural” da internet é ela ser de alcance mundial e aplicação local. Nós ficamos revoltados quando os chineses bloqueiam acesso a sites que julgamos “democráticos” mas um dia a coisa pode voltar-se para o lado de cá. Os EUA, onde ficam os grandes sites, têm as leis mais liberais de liberdade de expressão do mundo. Lá é permitido ter site anti-semita, mas na Alemanha, por exemplo, não é. O que o governo alemão pode fazer quando (ainda no exemplo) aparecer um vídeo neo-nazista no YouTube?

Tentemos um exemplo mais complicado… Aqui no Brasil é terminantemente proibido vídeos com cenas de sexo com crianças, de qualquer espécie. Mas nos EUA há um detalhe: se alguém fizer um desenho animado de uma criança em cena de sexo ele pode ser publicado, porque na visão da lei americana o que deve ser protegido pela lei anti-pedofilia é a integridade física e mental da criança e não a moral de quem assiste ao vídeo. Se a criança em questão não existe, é um desenho, nada de errado aconteceu.

Sem tentar discutir a interpretação da lei americana… Digamos que um vídeo desse entrasse no YouTube? É um vídeo obviamente ilegal no Brasil, algo bem mais sério do que a Cicarelli gemendo dentro d’água. O bloqueio do site por completo seria justificado? Ou devemos contar com a boa vontade do site? O YouTube (que nem permite vídeos sobre sexo, é bom dizer) pode ser compreensivo mas nada garante que o vídeo não apareça no outro site de vídeo ali da esquina. O que os provedores deverão fazer? Começar a caçar cada site e cada endereço IP até desligar a Internet toda aos brasileiros?

A reposta para o problema de hoje é simples: deixem de besteira e abram o YouTube. O quarto site mais acessado do mundo não pode ser bloqueado por inteiro aos brasileiros por conta dos caprichos de uma apresentadora de terceiro escalão. Mas a confusão está só começando.

PS: Aceito exemplos melhores para este texto, já que o meu da pedofilia, pelo visto, é furado.

9 thoughts on “YouTube cada vez mais bloqueado

  1. O interessante nisso td é q a CONSEQUÊNCIA está sendo punida e não a CAUSA de todo esse alvoroço, que na realidade foi a moça praticar o q a lei brasileira vê como “atentado violento ao pudor”…. só no Brasil mesmo….

  2. Interessante a discussão, mas prefiro me ater a um detalhe: um desenho animado como o descrito, não seria obviamente ilegal no Brasil. Ao contrário, seria perfeitamente legal e inconstitucional qualquer legislação que tentasse proibi-lo. Tanto que o projeto de lei que deu a atual redação à definição do crime de “pedofilia” queria enquadrar esta hipótese mas foi rejeitado neste ponto.

  3. Zico Goes, diretor da MTV, disse à Folha que recebeu mais de 50 mil mensagens de protesto. Segundo ele “é mais uma gritaria porque um brinquedo foi tirado do que sentimento contra censura.”
    Parece até frase de assessor de imprensa do governo tentando minimizar um escândalo. Queria saber se a opinião dele seria a mesma caso tirassem a TV que paga o seu salário do ar. MTV não tem informação: o grosso de sua programação são clipes e programas voltados ao mundo da música. Logo, no raciocínio do Dr. Jung da MTV, sua televisão também é um “brinquedo”, e pode ser tirada do ar sem maiores conseqüências. Postura autoritária de um “yuppie” que faz as vezes de psicólogo charlatão do inconsciente coletivo.

Comments are closed.